13:06

Memória dos pequenos sabores da infância contra o maldito esquecimento inesperado

Adriane Canan (08/11/2006)

Me lembro bem: as plantinhas ficavam  do ladinho da nossa casa. Eram pequenas. E não eram muitas. Havia uma época do ano em que, ao sair de casa para ir pra escola, bem cedinho da manhã, eu tinha a impressão de que elas falavam comigo. Eram tomateiros. Mas não eram grandes tomateiros. Eram pequeninos. De tomates pequeninos. Umas bolinhas verdes que iam crescendo pouquinho por dia. Pouquinho por dia, pouquinho por dia. Que nem eu, que era criança de interior. Crescia pouquinho por dia. Daí chegava um dia em que os tomatinhos ficavam vermelhos. E o cheiro suave deles tomava conta do caminho para a escola. Eu sentia de longe. Era bom. Daí eu chegava em casa, largava as coisas e ia colher os tomatinhos. A mãe mandava lavar. E eu comia devagar, com sal, um tantinho de sal. Demorava. Adorava o gosto daqueles tomatinhos.Depois esqueci dos tomatinhos por longo tempo. O tempo do esquecimento. Hoje pensei neles e senti seu cheiro forte. Olhei minhas mãos e lá estavam eles, madurinhos, vermelhos, prontos para serem lavados e comidos. Eu recém chegada da aula da terceira série. A mãe chamando para o almoço. Cheirei minhas mãos com paciência e apaguei os anos de esquecimento.